Toda Leitura Toda Leitura » Jane William
Jane William
1005 palavras | 374 Visitas

Carla P. P. Barbosa, sob o pseudônimo de Jane William, é uma jovem escritora brasileira, natural de São Paulo. Apreciadora dos poetas William Shakespeare e John Donne foi fácil para ela mergulhar em si mesma, fugindo da inflexibilidade e o rigor que a realidade nos impõem como conduta.

Nesse sentido, a jovem propensa à escritora, guiada por tamanha inspiração, vê-se inclinada a começar seus primeiros esboços na arte de misturar realidade com a fantasia. nevitavelmente, logo descobre as românticas escritoras Jane Austen, Emily Bronte e Marion Eimmer Bradley, se apaixonando por romances de época.

Foi nessa fase de sua vida que escreveu seu primeiro romance, mas como crítica de si mesma, classificou-o como intelectualmente insatisfatório.

“Para se escrever um bom romance há que se ter vivido pelo menos uma decepção amorosa, há de se ter sofrido as angustias da separação.”

Em sua vida adulta, Carla mergulha no mundo do escritor J.R. Tolkien, a quem classifica como gênio, deixando explícita sua admiração pelo autor, citando seus feitos em sua primeira obra fantástica.

Em sua busca por autores e suas histórias mirabolantes entre fantasia e realidade, Carla descobre Julio Verne e Alexandre Dumas, registrando suas influências. Assumindo o pseudônimo de J. William, Carla dá início a seu primeiro romance fantástico, a trilogia O Guardião.

Atualmente a autora se desdobra na criação da saga Night Witch, mergulhando no mundo místico e obscuro da bruxaria, influenciada pela romancista Marion Eimmer Bradley.

“Talvez muitos de vocês mortais que lerem esse livro, achem que tudo não passou de mera fantasia, mas talvez vocês não saibam, que o quê separa realidade da fantasia é apenas a forma como nós a enxergamos.”

Abaixo seguem alguns de seus livros:

O Vale das Margaridas

A bucólica Gales do século XIX, transformou-se no cenário dessa belíssima e comovente história de amor.

A jovem Ana Elizabeth acabava de completar dezesseis anos e sonhava com as venturas do primeiro amor.

Foi na figura do belo colono Edmund Apwood que ela viu seus sonhos se tornarem realidade. Quando seus olhos de cruzaram ela teve a certeza que seria dele para sempre. Quando se tocaram pela primeira vez, suas almas se reconheceram e daquele dia em diante seria assim, só seriam completos se estivessem juntos. Os dois viveram o amor de uma forma pura e intensa, até serem descobertos pelos pais de Ana, decadentes nobres da Corte de Londres, que os separaram brutalmente. Ana é obrigada a se casar com o novo rico Edgar Letroy, homem enigmático e rude que a submete as piores dores e humilhação, que somente um coração sensível como o dela conseguiria suportar, pela certeza que um dia voltaria aos braços de seu amado. Uma história vibrante e envolvente, vivida intensamente por dois jovens apaixonados que resistiram à tudo e à todos, por amor.

Laços Eternos

Na América Edmund e Ana redescobrem a felicidade, começa um período em que suas vidas encontrariam a tão almejada paz, mas no fundo de seus corações os dois sabiam que o passado estava apenas adormecido. A felicidade tem dessas coisas, nos deixa embriagados de tal forma que nada nos perturba. O passado esquecido por tantos anos retorna implacável, cobrando sua dívida. O destino irônico pregava-lhes uma triste peça, zombando mais uma vez deles, simples mortais. A dor que há muito fora sufocada pela felicidade era novamente objeto de dilacerante agonia. O algoz de Ana estava de volta e agora na figura do pai daquela que roubara o coração de seu filho. Edmund e Ana buscariam no amor a força para transpor as barreiras do ódio e da vingança. Um desfecho surpreendente e emocionante de almas ligadas pelos laços eternos do amor.

O Guardião e a Mortal – Livro 1

Bel é uma típica adolescente que vivia uma vida normal em Vancouver, mas com a separação de seus pais vê sua vida virar de cabeça pra baixo e é obrigada a se mudar com a mãe pra Jasper, uma pequena cidade do Canadá.

É difícil se adaptar quando não se sabe à qual lugar se pertence. Tudo é tedioso e cansativo pra ela, a nova cidade, a nova escola. Sua vida entra numa rotina sufocante, até que uma descoberta abala seu mundo. Uma imagem no espelho, um olhar foi o bastante pra mudar todo o seu destino. Aaron era seu tudo, seu Universo, era seu campo gravitacional, sua própria Rede de Energia, sugando sua respiração e espremendo toda aquela vida insignificante dela.

Aaron era um imortal, como lutar contra isso? Há uma parte da vida dele que ela nunca poderá compartilhar, mas ela daria tudo se existisse uma pequena chance de viver ao lado dele. O que você faria se a única maneira de se manter vivo fosse morrer?

Na época em que pensou na hipótese de se tornar imortal, Bel nunca imaginaria que essa decisão poderia salvar a sua vida. Ela iria renascer da escuridão, do eclipse solar, para luz que emanava dele, então suas vidas estariam apenas começando.



Nenhum comentário em “Jane William”


Comentar